English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Cristãos Católicos X Cristãos Protestantes

by José Márcio Castro Alves

Em 1911 o “Vice-Prefeito” de Mato Grosso de Batataes é o Padre Jonas Lopes do Prado. (Este largaria a batina e se casaria com uma protestante, a jovem “Jóia Battela”). Um escândalo sem precedentes para a época. Mas o Padre Jonas era um emprendedor e marcaria época na Vila de Mato Grosso. Logo ele Inauguraria o antigo matadouro (perto da Estrada de ferro e do córrego Mato Grosso). Na família Battela também destaca-se o industrial José Batela, que, além de outros empreendimentos, possuía uma pequena fábrica de macarrão, bebidas e sabão. Dentre os feitos mais importantes, construiria o Cine-Theatro Guarani que, mais tarde, revelaria o grupo de atores denominado "Grêmio Dramático Coelho Neto", servindo ainda o local para outros eventos.



Em 1912 chega o licenciado em teologia Teodomiro Emerique ordenado Pastor em 1913. Nesta época foi iniciado o primeiro templo protestante, no local onde se encontra o atual, que só seria reconstruído 23 anos depois.

1912 - A companhia Francana de Força e Luz, em 19 de Abril de 1912, pede doação de um terreno (hoje Rua Campos Sales), naquele tempo Praça do Rosário, com objetivo de construir um escritório (no mesmo local onde hoje se encontra a CPFL). A paróquia seria compensada com energia gratuita para a Matriz e casa Paroquial.



1913 - Em 1913 desapareceram os lampiões a gás, com a inauguração da Luz elétrica nas ruas, 75 lâmpadas, no dia 17 de julho. No dia seguinte 18 de julho, foi inaugurada uma empresa de ônibus de Mato Grosso a Batatais.
O progresso neste período é marcante: cinema, banda de musica, ainda que sem precisarmos, o telefone chegou antes da energia.


Vejamos a chegada a Município.

Com a criação do jornal “O progresso” de Simplício Ferreira (1912), proprietário, e, Oscar Olympio de Barros (escrivão de Paz), diretor, a luta pelo progresso e emancipação, tornou-se acirrada, esperada para 1913, já com a participação de Sylvio Ribeiro da Silva, um jovem estudante do Instituto Mackenzie, na capital.
Mato Grosso, entre outros, oferecia melhores condições para emancipação, mas, por fatos políticos, bem descritos por Sylvio Ribeiro, não Conseguiu.



1914 - Em 1914 começou a funcionar o Posto Policial em prédio próprio, sendo o terreno doado ao Estado pela Igreja. Hoje é conhecido por “Cadeia Velha”, e fica na Rua Major Garcia nº 376.
1914 - Neste mesmo ano de 1914, ficou também terminado o prédio das Escolas Reunidas, hoje Prefeitura Municipal, na Rua Major Garcia, nº 144, com terreno também cedido ao Estado pela Igreja.
Foi organizada neste mesmo ano, a Igreja Presbiteriana de Mato Grosso de Batatais.
A chama da emancipação está acesa - Um diretório reunindo as forças políticas é constituído: Cap. José Esteves Junior, Honório Vieira de Andrade Palma, Cap. José Pio, Francisco Sabia, Vivaldo Alberto da Costa, Mário Josino Meirelles, Antonio Corrêa Lima e Oscar Olympio de Barros.



O jovem estudante do Mackenzie, Sylvio Ribeiro da Silva, foi um dos cérebros da campanha. No jornal O Progresso, de propriedade de Simplício Ferreira, ao mesmo tempo e com pseudônimos diferentes, Conde de Syvarol e Conde de Sysmaia, Silvio Ribeiro da Silva defendia e contestava a emancipação, esclarecia e motivava a população, principalmente as forças políticas de uma comunidade urbana com pouco mais de um mil habitantes e duzentas e poucas moradias, na sua maioria vivendas. Em todo distrito havia em torno de 10.000 habitantes (zona rural e urbana).



Já em 1914, Honório Vieira de Andrade Palma mudara-se para Batatais, onde fora vereador do distrito de Mato Grosso. Como representante do diretório político, colocou em discussão junto à Câmara de Batatais quais as providências jurídicas e políticas necessárias para a emancipação, já que o foro apropriado seria a Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. O assunto não logrou êxito de imediato, uma vez que poucas lideranças políticas davam importância ao distrito, uma pequena Vila dista a 5 léguas da comarca.

1916 - Em 1916 o jornal “O Progresso” encerra suas atividades, surgindo em primeiro de janeiro de 1917 “O Imparcial” de Benildo Alves Pinto, orientado por Sylvio Ribeiro da Silva - diretor.
Logo o professor José Candido Júnior organizaria o jornal “A Revolução”. Lutam insistentemente pela emancipação. Políticos, professores, comerciantes e os imigrantes portugueses, italianos, sírios, que em muito contribuíram com as idéias libertárias que possuíam.


Os requisitos legais para a emancipação já estavam preenchidos há cerca de dois anos, inclusive com abaixo-assinado da população.
O rendimento anual do distrito de Mato Grosso de Batatais excedia a 30 contos de réis. Havia prédios apropriados para Escolas Reunidas, além das casas de Câmara e Cadeia. Funcionavam 3 escolas do sexo masculino e uma do sexo feminino, estando já criados mais duas. O número de prédios excedia 250. Mato Grosso progredia “a olhos vistos”. Estava cotado a ser uma das zonas mais florescentes da grande terra dos bandeirantes. “Pois é justo que Mato Grosso, sendo rico, muito rico, possuindo todos os requisitos que se exige para ser emancipado...
(artigo no jornal O Imparcial, 1917)
José Márcio Castro Alves